A Fundação realiza exposição de obras criadas pelos usuários

XILOMUNDO: O MUNDO POR UM OLHAR MONOCROMÁTICO

A FUNDAÇÃO SÍNDROME DE DOWN CONVIDA PARA A EXPOSIÇÃO DOS TRABALHOS DOS USUÁRIOS REALIZADOS NO ESPAÇO TEMÁTICO DO ATELIÊ NO ANO DE 2016

Por meio da Arte é possível desenvolver a percepção e a imaginação, apreender a realidade do meio ambiente, desenvolver a capacidade crítica, permitindo ao indivíduo analisar a realidade percebida e desenvolver a criatividade de maneira a mudar a realidade que foi analisada. Ana Mae Barbosa[1]

O espaço temático do ateliê da Fundação Síndrome de Down, que faz parte da rede de Programas do Serviço de Apoio a Vida Adulta, encerra mais um ano de atividades criativas com a exposição dos trabalhos realizados no ano de 2016.

Durante esse ano, foi a exposição do fotógrafo Sebastião Salgado, intitulada “Gênesis”, cediada pelo Sesc-Campinas que norteou os trabalhos dos usuários no ateliê. Os usuários, primeiramente, apreciaram as imagens do fotógrafo, estudaram sua história e sua obra e apreenderam curiosidades e informações sobre a obra de Sebastião. Após a visita, iniciamos uma discussões sobre a vida e obra do artista, assim como sobre a técnica da fotografia. Nessas conversas os usuários foram compreendendo diversas conceitos: (1) a diferença entre a fotografia digital (atual) e a analógica (que utiliza filmes e processo químico de revelação); (2) a opção pela fotografia em preto e branco (P/B) feita pelo fotógrafo que não se dá pela falta de recurso da câmera colorida, como no caso das fotos antigas, mas sim por uma questão de estilo; (3) e o conceito de monocromático que existe nas obras de Salgado.

E o que é monocromático?

Monocromático significa aquele que apresenta apenas uma cor. Mas como a foto preto e branca pode ser monocromática? Na verdade, a foto impressa utiliza apenas uma cor durante a impressão, a cor preta. A intensidade de preto impressa sobre o papel branco é que escurece ou clareai a cor, definindo os direfentes tons de cinza da fotografia P/B. Assim, o trabalho de Sebastião é monocromático. A partir desse conceito, iniciamos a criação do ateliê realizando pinturas, desenhos monotipias e, enfim, xilogravuras, monocromáticas usando preto e nuances de cinza.

[1]    Ana Mae Barbosa: pesquisadora que realizou importantes estudos da história do ensino da arte no Brasil e, denfendendo a arte como conhecimento, difundiu métodos e conceitos em arte educação (ensino da arte). O trecho acima foi retirado de “Inquietações e mudanças no ensino da arte”. São Paulo: Cortez, 2002, p.18.

O que é a xilogravura?

A palavra xilo significa madeira, então, xilogravura significa gravura feita a partir da madeira. Isso significa que os usuários, utilizando ferramentas chamada goivas (pequenas “facas” com corte em diferentes formatos), realizaram o entalhe da madeira que resultaram em baixos relevos criando uma matriz. Posteriormente, como um carimbo, a madeira é pintada com tinta preta (mais tradicionalmente utilizada na xilogravura) e carimbada no papel. Assim, a obra final não são as matrizes esculpidas, mas sim as impressões realizadas com essas no suporte de papel. A união dos conceitos Monocromático e da técnica Xilogravura originaram o nome da exposição XILOMUNDO: O MUNDO POR UM OLHAR MONOCROMÁTICO,  elaborada pelos participantes do ateliê.

Qual a importância da exposição?

A arte é uma forma de comunicação. Ao criar, meu desejo, consciente ou inconsciente, é de comunicar algo através de uma técnica artística. No entanto, para que essa comunicação ocorra, é preciso haver um observador. Assim, de nada adianta ensaiar uma peça, criar uma coreografia, pintar uma obra se essa nunca se encontrar com um público. Esse é o significado máximo da exposição.

É importante salientar que os usuários participaram que todas as etapas do processo de elaboração e execução da exposição. Isso possibilita pensar e significar a prática criativa de cada um e coletiva. Ao nomear uma obra, por exemplo, se a pessoa desenhou uma casa, é preciso pensar que casa é essa, o que a pessoa quis comunicar com essa casa, como ela quer nomeá-la e esse processo de imaginação e significação altera a realidade, ou seja, modifica o sentido da casa real, da ideia inicial, do sentimento estimulado que a inspirou durante o processo de criação. Isso constitui a produção de cultura pelo olhar das pessoas que frequentam o ateliê.

Os usuários escolheram o nome dessa exposição a partir de uma chuva de ideias, realizaram as fichas técnicas e definiram o local de cada obra com a mediação e curadoria da arte educadora responsável pelo espaço do ateliê, Agda Brigatto. Assim, a exposição é símbolo de protagonismo dos usuários participantes de todo esse processo de criação.

Venha conferir  e apreciar nosso trabalho!

 

ABERTURA DA EXPOSIÇÃO

QUANDO? 02/12/2016

ONDE? FUNDAÇÃO SÍNDROME DE DOWN

HORÁRIO? 18H30

DURAÇÃO? A EXPOSIÇÃO FICARÁ ABERTA DE 02/12 À 19/01/2017

 

AUTORES DAS OBRAS: Caetano Vilas Boas Rodrigues, Felipe Taddeo de Lima Campos, Frank Rodrigues Caron, Gabriel Mantey  Ghani, Ivanete Gozzi, Julio Cesar Dias De Alvarenga, Leticia Scagliusi Novaski, Luis Gustavo  Vicentim Toledo, Mayara Cristina Zanini, Michael Athaide Hoffmann, Monica Dayane Tura, Ricardo Gonçalves do Carmo Júnior, Samuel Davi Almada Satti da Silva, Tarso Dimas Fernandes de Toledo e Vitor Falcone Von Atzingen.